Inovação

Como a rastreabilidade de alimentos está transformando o mercado

Acompanhar um produto desde a sua produção até a chegada ao consumidor é o principal objetivo da rastreabilidade de alimentos, que visa objetivamente rastrear produtos e insumos que serão utilizados para no segmento de alimentos e de bebidas.

Com isso, atinge-se um grau de confiabilidade e segurança bastante altos e que tem se tornado um fator estratégico como argumento de venda e satisfação do consumidor.

“A confiabilidade nas marcas da indústria alimentícia e também do setor de alimentos perecíveis é reforçada quando os produtos recebem uma certificação de órgãos competentes. Para o produtor, a importância está na redução de perdas, valorização da sua marca, alcance na preferências em vendas para distribuidores e grande varejo, que exigem alimentos com certificado de procedência e, consequentemente, redução de custos e aumento da margem de lucros”, resume Nilson Gasconi, executivo de negócios da Associação Brasileira de Automação – GS1 Brasil.

Apesar desses benefícios, a rastreabilidade ainda não é regulamentada no Brasil, embora uma iniciativa de Autuação Regulatória esteja tramitando na ANVISA. Por enquanto, todos os programas de rastreabilidade existentes no país são voluntários, o que não é suficiente para garantir de modo mais homogêneo a idoneidade na indústria.

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) criou o programa “De Onde Vem”, que objetiva fomentar o desenvolvimento e a aplicação de legislação de rastreabilidade em alimentos no Brasil. O programa tem como base o artigo 6º do Código de Defesa do Consumidor, que prevê informação clara e adequada com direito básico dos clientes.

A seguir, compreenda melhor como funciona a rastreabilidade de alimentos e qual é a responsabilidade e as vantagens da indústria de alimentos na utilização desse recurso. Acompanhe.

O caminho da rastreabilidade

A rastreabilidade de alimentos apresenta um processo com etapas bem definidas e mapeadas, e que tem como principal meta colocar as empresas em um patamar mais elevado em relação ao profissionalismo na produção, no tratamento de seus produtos e no relacionamento com a cadeia de abastecimento.

Isso inclui o mercado interno e externo, pois, para exportar, muitas vezes, é necessário cumprir requisitos e exigências dos compradores internacionais.

“Investir na identificação correta, precisa e padronizada é o primeiro passo para as empresas do segmentos se prepararem para a exportação”, enfatiza Gasconi.

Nesse sentido, cabe destacar o uso do código de barras, que é uma das ferramentas de automação mais utilizadas para identificação dos produtos – processo importante dentro da rastreabilidade. O código, por sua vez, contribui para agilidade no atendimento ao cliente e aprimoramento da gestão.

Ele permite uma captação automática das informações – ou seja, maior controle, diminuição de erros, velocidade no atendimento de pedidos dos clientes, redução de custos, entre outros benefícios.

A implantação do sistema começa da sinergia desde o fabricante da matéria-prima até os integrantes de toda a cadeia de abastecimento que fazem os produtos chegarem ao varejo. Os fabricantes, geralmente, dão início ao processo quando passam a coordenar com os produtores a qualidade e a procedência da matéria-prima.

Vantagens da rastreabilidade de alimentos

Como vimos, a utilização da rastreabilidade de alimentos gera diversos benefícios para a indústria. Além dos pontos já citados, cabe ressaltar que a adoção da rastreabilidade é uma ação inibidora de falsificação de produtos e que permite à empresa o monitoramento eficiente de seus produtos.

É, também, uma questão de segurança para o consumidor. Para tornar mais claro esse ponto, o executivo de negócios da Associação Brasileira de Automação – GS1 Brasil traz um exemplo prático.

“No caso de um recall, um efetivo processo de rastreabilidade possibilita a rápida identificação do problema e a remoção dos produtos da cadeia de suprimentos, ajudando a minimizar os riscos aos consumidores, a limitar o impacto econômico e o dano à reputação da marca”, comenta.

Além desse benefício preventivo, junto ao consumidor, a rastreabilidade favorece um incremento nas vendas, uma vez que, cada vez mais, os clientes buscam informações claras, exatas e relevantes sobre os produtos que consomem e oferecem à sua família. Assim, o aumento nas passas não torna-se apenas transacional, isto é, resumido a um ato de compra. A rastreabilidade é um grande fator para fidelizar e reter clientes, o que impactará diretamente no faturamento da empresa.

E você, já conhecia os benefícios da rastreabilidade de alimentos? Pensa em adotá-la na sua empresa? Deixe sua mensagem nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *