Fispal Tecnologia faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Rastreabilidade na indústria de alimentos

Rastreabilidade é oportunidade para aumentar segurança e gerar conexão 

Pauta cada vez mais presente nas discussões sobre a cadeia produtiva de alimentos, a rastreabilidade ganha força, impulsionada pelo rápido desenvolvimento da tecnologia. Com conceitos de blockchain e explorando as chamadas embalagens conectadas, é possível tornar o processo de distribuição cada vez mais confiável e completo.

As possibilidades dessa tecnologia em evolução foram tema da palestra de Katherine Oliveira de Matos, consultora de Food Safety a convite da SIG no Fórum Embalagem, na Fispal Tec 2019. Dividindo cases nacionais e internacionais, a palestrante ilustrou a relevância do desenvolvimento de processos de blockchain para a cadeia de alimentos.

“A cadeia de alimentos se torna cada vez mais complexa”, comentou. “Trata-se de uma organização feita de subsistemas, que se relacionam simultaneamente e em múltiplos níveis”.

De acordo com a consultora, essa complexidade é causada por uma intensa internacionalização que afeta toda a estrutura. “Cada alimento exige a utilização de muitos ingredientes, e cada ingrediente pode vir de partes diversas do mundo. Tudo isso torna os fluxos da cadeia complexos e em constante movimento”, explicou aos presentes.

“Ambientes complexos exigem estratégias complexas”

Citando cases internacionais, Matos apontou que a rastreabilidade não é uma novidade, mas a tecnologia que agiliza os processos sim. Se antes, como em um dos exemplos citados, foram necessárias duas semanas para identificar o problema em um único lote, com a digitalização dos processos esse tempo é reduzido para minutos ou segundos.

“A tecnologia abre grandes possibilidades no rastreamento e no controle desses produtos. A complexidade da cadeia exige uma estratégia complexa que garanta a qualidade e a proteção de cada alimento, do campo à mesa do consumidor final”, defendeu.

QR Code e rastreabilidade: muito além do recolhimento

Embora de fato agilize a identificação de falhas e antecipe a ação na necessidade de recalls, o uso de QR Codes em embalagens de alimentos gera resultados em outras frentes. “Vivemos a era do compartilhamento. O uso dos QR Codes é uma oportunidade de se conectar com seu consumidor”.

Citando o case conjunto da SIG com a cooperativa Languiru, Matos reforçou as possibilidades. A implantação do QR Code nas embalagens de leite gerava informações simultâneas para a indústria – que era capaz de encontrar lotes e embalagens individuais em toda a distribuição e acessar o histórico de cada item – quanto para o consumidor final – que conseguia saber a origem e o caminho do produto até sua mesa. “Essa ação gerou um impacto significativo nas vendas e na percepção da marca pelo comprador. A Languiru, que antes não figurava sequer no top 3 do estado, passou para o 1º lugar no marketshare do Rio Grande do Sul”, contou.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar