Fispal Tecnologia faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Saudabilidade impulsiona investimento no setor de ingredientes

Saudabilidade impulsiona investimento no setor de ingredientes

A mudança do padrão alimentar do brasileiro tem criado uma série de oportunidades à indústria, especialmente a preocupação com o bem-estar. Está cada vez mais claro que quando o brasileiro acorda na segunda-feira, há a real preocupação de reverter partes dos excessos gastronômicos realizados no final de semana. Essa mudança de comportamento já tem afetado diretamente o setor de ingredientes na indústria de alimentos.

Hélvio T. Collino, presidente da Abiam (Associação Brasileira da Indústria e Comércio de Ingredientes e Aditivos para Alimentos), afirma que a mudança do modelo alimentar é uma tendência importante ao setor, que tem se mobilizado para atender as novas demandas. O panorama, porém, não é simples. Ao mesmo tempo em que busca soluções, o segmento precisa reduzir os custos. “As principais tendências atuais de nosso setor vão no caminho das chamadas ‘reduções’, sejam elas fundamentadas em custos ou mesmo em fatores como gorduras, sódio, açúcar”, explica o presidente da Abiam.

Todo esse mercado da redução, por sua vez, vem solidificado em uma palavra preponderante: a saudabilidade. “O tema saudabilidade vem evoluindo a cada dia, onde todos esses drives, em geral, passam a exigir sempre mais de nossas indústrias”, pondera Collino.

O Brasil tem como aliado nessa batalha o próprio governo. Isso porque o Ministério da Saúde tem uma parceria firmada com a ABIA (Associação das Indústrias da Alimentação), desde 2011, para redução do sódio nos produtos alimentícios que resultou na retirada de 14.893 mil toneladas de sódio dos produtos em quatro anos. O consumo excessivo de sódio é fator de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não-transmissíveis, que atualmente respondem por 72% dos óbitos no Brasil.

Mas o setor, que sempre teve estrutura sólida no mercado brasileiro, vem reagindo bem à demanda, com “maiores necessidades de pesquisas, investimentos e capacitação profissional na busca de novas alternativas, sejam estas de produtos, processos etc.”, enumera o presidente da Abiam, satisfeito com a resposta da indústria. O brasileiro, assim, mesmo que se esbalde nos finais de semana, pode dormir tranquilo no domingo porque terá opções saudáveis na mesa de segunda-feira.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar