Legislação, Sustentabilidade

Logística reversa na indústria de alimentos e bebidas

A logística reversa na indústria de alimentos e bebidas possui um importante caráter socioambiental. Afinal, ela permite reaproveitar resíduos ou dar a destinação correta à eles, minimizando os impactos no meio ambiente e colaborando para o desenvolvimento econômico e social.

Atitudes nesse sentido já estão se tornando lei em alguns estados. Além disso, a logística reversa na indústria é uma prática cada vez mais importante, uma vez que a exigência por atitudes do tipo aumenta. E, cada vez mais, os consumidores demandam que as empresas atuem de forma consciente e sustentável.

Continue com a leitura desse artigo e entenda melhor como a logística reversa beneficia a indústria e toda a sociedade!

A importância da logística reversa na indústria

A logística reversa engloba a ação conjunta entre a indústria e os sistemas de gerenciamento de resíduos sólidos. Por meio de tecnologias, transparência e escala, o objetivo da ação é adequar a empresa às regulamentações com responsabilidade socioambiental.

“A logística reversa é um instrumento de desenvolvimento econômico e social que se caracteriza por um conjunto de ações, procedimentos e meios. Eles são destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos”, explica o Departamento de Desenvolvimento Sustentável da Fiesp.

O instrumento está previsto na Lei Federal 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS), bem como alguns produtos e embalagens em que a exigência de implementação e operacionalização é compulsória

Dessa forma, é possível reduzir o custo de todo o processo de logística reversa e colaborar para um problema sério em nosso país.

Para você ter ideia, somente 3% da coleta de resíduos sólidos urbanos no Brasil são realizados por via formalizada. Com isso, há um mercado de cerca de 97% que não retorna à cadeia produtiva, abrindo oportunidade de negócios, de acordo com dados da Fiesp.

Como a logística reversa beneficia a indústria de alimentos e bebidas

A Resolução SMA 45/2015 do Estado de São Paulo determinou a exigência da logística reversa para as embalagens de alimentos e bebidas.

“São Paulo inovou na fiscalização do cumprimento da logística reversa ao exigi-la como condicionante no processo de licenciamento ambiental. Essa exigência é operacionalizada por meio da Decisão de Diretoria nº 076/2018, portanto é uma exigência legal”.

Para a Fiesp, o objetivo da logística reversa na indústria estão diretamente ligados à destinação final ambientalmente adequada, ou seja, a reutilização ou reciclagem das embalagens restituídas.

“Nesses casos, são inúmeros os benefícios tanto para as indústrias como para a sociedade, sejam estes ligados à redução do consumo de matéria-prima virgem, aumento de vida útil de aterros sanitários, desenvolvimento da cadeia produtiva dos materiais reciclados, proteção de marca, inclusão social, entre outros”.

Desafios a serem superados

Apesar de a logística reversa na indústria ter se tornado uma exigência legal para alguns produtos e embalagens, ela não não veio acompanhada de melhorias sistêmicas na gestão dos resíduos sólidos. De acordo com a Fiesp, apesar de essas melhorias estarem previstas na PNRS, elas tiveram pouco ou nenhum desenvolvimento ao longo dos 8 anos de implementação da Lei.

“Há enormes obstáculos operacionais, financeiros, tributários, bem como aqueles que demandam alterações legislativas, mas pode-se afirmar que ocorreram avanços significativos. No entanto, existem desafios essenciais para que possamos consolidar todas estas iniciativas, dentre as quais cabe destaque a necessidade de efetivo envolvimento de todos os responsáveis pela implementação da logística reversa; a operacionalização dos instrumentos econômicos (tributários e fontes de financiamento) para materiais recicláveis e reciclados; as sinergias relativas ao transporte dos materiais recicláveis, a efetiva fiscalização e de comunicação/Marketing”.

Os profissionais ainda destacam a educação ambiental como outro grande gargalo da logística reversa na indústria, especialmente no caso das embalagens. Afinal, é o cidadão comum que tem o poder de determinar o destino que a embalagem terá.

“Um dos principais gargalos é de que forma a informação correta chega até o usuário final de um produto ou embalagem, no momento do seu descarte, que poderá alterar completamente o sucesso dos sistemas implantados. Neste sentido precisamos mais do que nunca das parcerias estratégicas e da divulgação adequada em cada região, em cada município, nas escolas, usando as mídias sociais para que a população tenha a informação necessária para sua correta e essencial colaboração”.

Por isso, muito mais do que implementar a logística reversa na indústria, é fundamental atuar na educação do consumidor final. Dando, assim, às embalagens um papel mais social.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *